RECONHECIMENTO DO NOSSO LIVRO - DIÁRIO OFICIAL




Resultado de imagem para diário oficial do estado de pernambuco



Ano XCIV Nº 98
Poder Legislativo
    Recife, sexta-feira, 09 de junho de 2017.

                                                                                 
 Requerimento N° 3392/2017

Requeremos à Mesa, ouvido o Plenário e cumpridas formalidades regimentais, que seja consignado na Ata dos Trabalhos desta Casa, no dia de hoje, um VOTO DE APLAUSO ao ESCRITOR, TEÓLOGO, HISTORIADOR E PASTOR ESDRAS CABRAL DE MELO, pelo Lançamento do Livro 500 ANOS DA REFORMA PROTESTANTE - Causas - Consequências e Contribuições, seu lançamento ocorreu no dia 16 de maio do corrente ano, no templo central da IEADALPE/COMADALPE.
Da decisão desta Casa, e do inteiro teor desta proposição, dê-se conhecimento a (o) Michel Temer, Presidente da República do Brasil; Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia, Presidente da Câmara dos Deputados; Eunício Lopes de Oliveira, Presidente do Senado Federal; José Mendonça Filho, Ministro da Educação; Raul Jungmann, Ministro da Defesa; Paulo Câmara, Governador do Estado de Pernambuco; Raul Henry, Vice-Governador do Estado de Pernambuco; Frederico da Costa Amâncio, Secretário de Educação do Estado de Pernambuco; Ennio Benning, Secretário de Imprensa do Estado; Claudia Elói da Hora, Presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Pernambuco; Múcio Aguiar Neto, Presidente da Associação da Imprensa de Pernambuco – AIP; Alexandre Rands, Presidente do Diário de Pernambuco; João Carlos Paes Mendonça, Presidente do Jornal do Commercio/Rádio Jornal e TV Jornal; Eduardo de Queiroz Monteiro, Presidente da Folha de Pernambuco; Pastor Esdras Cabral de Melo, Escritor, Teólogo e Historiado; Pastor José Wellington Bezerra da Costa, Presidente da CGADB - Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil,; Pastor José Wellington da Costa Júnior, Presidente do Conselho Administrativo da CPAD; Pastor José Carlos de Lima, Presidente da UMADENE - União de Ministros das Assembleias de Deus no Nordeste; Pastor Roberto José dos Santos, Presidente da COMADALPE - Convenção de Ministros Evangélicos da Igreja Assembleia de Deus em Abreu e Lima no Estado de Pernambuco; Pastor Ailton José Alves, Presidente da Convenção das Assembleias de Deus em Pernambuco – CONADEP; Pastor Daniel Nunes da Silva, Presidente da Convenção de Ministros da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Campina Grande e no Estado da Paraíba – COMEAD – CGPB; Pastor Martim Alves da Silva, Presidente da Convenção das Assembleias de Deus do Rio Grande do Norte – CEMADERN; Pastor João Bezerra da Silva, Presidente da Convenção dos Ministros Evangélicos das Assembleias de Deus no Ceará – CONADEC; Pastor Maurino Pinheiro do Nascimento, Presidente da Convenção Fraternal de Obreiros do Ministério da Assembleia de Deus de Fortaleza/CE – CIMADEC; Pastor Ozíres Teixeira Pessoa, Presidente da Convenção Fraternal de Ministros das Assembleias de Deus do Estado do Ceará – CONFRADECE; Pastor José Teixeira Rêgo Neto, Presidente da Convenção de Ministros da Assembleia de Deus Bela Vista no Estado do Ceará - COMADECE; Pastor Virgínio José de Carvalho Neto, Presidente da Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Estado de Sergipe – CONEADESE; Pastor Nestor Henrique de Mesquita, Presidente da Convenção das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus do Piauí- CIEADEP; Pastor José Orisvaldo Nunes de Lima, Presidente da Convenção das Assembleias de Deus no Estado de Alagoas – COMADAL; Pastor José Alves Cavalcante, Presidente da Convenção dos Ministros das Igrejas Assembleias de Deus do Seta no Sul do Maranhão – COMADESMA; Pastor Pedro Aldi Damasceno, Presidente da Convenção Estadual da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Maranhão – CEADEMA; Pastor Waldomiro Pereira da Silva, Presidente da Convenção Estadual das Assembleias de Deus na Bahia – CEADEB; Pastor Israel Alves Ferreira, Presidente da Convenção Fraternal de Ministros da Assembleia de Deus no Estado da Bahia – CONFRAMADEB; Pastor Francisco Tércio, Presidente da Assembleia de Deus – Ministério Novas de Paz; Pastor Francisco Silva, Presidente da Assembleia de Deus Vida e Paz; Pastor Abimael Flor da Silva, Presidente da Assembleia de Deus – Ministério Goiana; Pastor Carlos Ribeiro, Presidente da Assembleia de Deus – Ministério Salgueiro; Pastor Hélio Roberto, Presidente da Assembleia de Deus – Ministério Paulista-PE; Pastor Aluízio Nunes Machado, Presidente da assembleia de Deus no Campo de Itaitinga/CE; Pastor Marco Feliciano, Presidente da Igreja Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento; Pastor Reuel Bernardino, Presidente dos Gideões Missionários da Última Hora - GMUH; Pastor Edson José Machado, Professor e Capelão; Evangelista Abraão Coutinho, Vice-Diretor da Escola Teológica da Assembleia de Deus em Abreu e Lima/PE - ETEADALPE; Pastor Jorge Leibe de Souza, Presidente da Ordem Federal dos Teólogos do Brasil - OTIB; Pastor Walter Filho, Presidente do Conselho Federativo de Teólogos; Diácono Lyncoln Araújo, Diretor do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil; Pastor Thomas William Fodor, Reitor do Seminário Pentecostal do Norte; Pastor Marcos André Marques, Diretor do Seminário Presbiteriano do Norte - SPN; Luciano Sávio R. Alves, Presidente da NGE Gráfica e Editora; Ronaldo Rodrigues de Souza, Diretor Executivo da CPAD; Presbítero Silvio José Rodrigues de Castro, Assembleia de Deus em Abreu e Lima (COMADALPE); Pastor Ney Silva Ladeia, Presidente da Igreja Batista da Capunga; Presbítero Marcos Eugênio Cavalcanti Marques, Coordenador de Área da Assembleia de Deus em Recife/PE; Presbítero José Carlos Gomes da Silva, Coordenador de Área da Assembleia de Deus em São Lourenço da Mata-PE; Diaconisa Clarice Machado Dos Santos, Igreja Batista em Piatã - Bahia/BA; Gamaliel Barbosa dos Santos, Teólogo; Dom Fernando Saburido, Arcebispo de Olinda e Recife.

Justificativa

O reverendíssimo Pastor ESDRAS CABRAL DE MELO , como professor de História do Cristianismo, teve a preocupação e o cuidado de esboçar neste livro, uma maneira simples e objetiva, em seis capítulos selecionados em ordem didática, como alguém ensinando ao leitor em uma sala de aula.
O que você encontrará nesta obra?
Um pano de fundo histórico sobre o advento da Reforma Protestante. Uma explicação clara e objetiva sobre o que é, Forma, Deforma e Reforma. Uma análise histórica e teológica dos primeiros Reformadores. A contribuição dos principais Reformadores. Uma resenha do período da Contrarreforma e a maldita Santa Inquisição. A fase do desenvolvimento dos Pós-Reformadores e suas defesas teológicas. Um resumo explicativo dos diversos movimentos Reformistas por toda a Europa. Outros Reformadores não muito conhecido dos protestantes atuais. Diversas implantações de Instituições Religiosas Protestantes. Uma síntese histórica e teológica do Último Grande Reformador. Um acervo fotográfico da nossa pesquisa realizada na Cidade de Wittenberg, Alemanha. As 95 teses do Grande Reformador alemão, Martinho Lutero e um grande pôster contendo um quadro cronológico da Reforma de maneira bem didática.

O Pastor ESDRAS CABRAL DE MELO, é Doutor em Educação e Teologia. Pós-Graduado em Antropologia na UFPE, em Metodologia do Ensino Superior, em História das Artes e das Religiões e Ensino de História pela UFRPE. Formado em História e Teologia. Palestrante Educacional e Motivacional na Docência da Rede Pública de Ensino das Prefeituras e do Estado de Pernambuco. Escritor, Educador, Historiador e Teólogo. Também Promove Seminários e Simpósios Relacionados às Ciências Humanas.


Considero o Pastor Esdras Cabral um dos intelectuais evangélicos mais importantes de Pernambuco, com sua facilidade de trabalho na área de ensino e educação, o reverendíssimo pastor além da boa didática, bom humor, saber improvisar e passar energia fazendo com que o aluno queira aprender. E claro, conhecer bem do assunto que está ensinando. De forma que passem a enxergar seu verdadeiro valor e sua missão neste mundo.

Por tudo que deixamos dito, resta-nos solicitar aos nossos ilustres pares desta Casa Legislativa, a melhor das acolhidas no intuito da sua aprovação no plenário.
Sala das Reuniões, em 8 de junho de 2017

Ricardo Costa
Deputado Estadual – Vice-Líder do Governo



A VERDADEIRA DOUTRINA RESGATADA PELA REFORMA PROTESTANTE

500 ANOS DA REFORMA PROTESTANTE

A VERDADEIRA DOUTRINA RESGATADA PELA REFORMA PROTESTANTE

Teólogo e Historiador Pr. Esdras Cabral de Melo



INTRODUÇÃO

É difícil para mim como historiador, e talvez impossível, encontrar na história do cristianismo, salvo o advento do Senhor Jesus Cristo, outro período de grande repercussão histórica, como foi a Reforma Protestante. Nela o homem respirava a liberdade e compreensão de quase tudo, principalmente sobre o destino de sua alma, que até então era negociada pelas autoridades institucionais da igreja dominante da época, a Igreja Românica. Claro que essa liberdade conquistada, além da intrépida posição dos reformadores, vivia-se nesse período do século XVI, o Século de Ouro do Renascimento, período mais ilustre da história do mundo ocidental, onde: ‘‘o homem é a medida de todas as coisas’’.

            A Reforma Protestante tirou da Igreja de Roma o poder de decidir sobre o comportamento e o destino da alma dos fiéis. Mesmo com a reação da Contrarreforma, com os seus instrumentos de perseguição e tortura, a Teologia Protestante não se intimidou e nem se limitou, a esta resolução românica. Os avanços foram extraordinários, até as regiões mais longínquas, foram alcançadas e surpreendidas pelos efeitos da Reforma. A Europa já nos séculos XVII e XVIII, vivia os grandes movimentos reformistas que não só ficaram nos países europeus, mas, migraram para outros continentes como, América, África, Ásia e o novíssimo continente da Oceania.

            Os Efeitos desse Reforma Protestante são sentidos até os nossos dias, grande foi o impacto dessa reforma na vida e nas instituições ao longo dos cinco séculos. A Reforma deu ao homem a dimensão de encontrar-se com o ‘‘Deus redescoberto’’, sem precisar mais de intermediários da cúria romana para lhe levar ao alcácer do Criador. O homem agora liberto das mordaças dogmáticas e sacrifícios desnecessários, se mostra atencioso à leitura, ao estudo e os verdadeiros ensinamentos das Sacrossantas Escrituras. O maior legado da Reforma protestante pode-se resumir em Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fides, Sola Christus e Sola deo Gloria.  


UMA ÉPOCA PARA REFORMAS

Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes; afastai-vos deles.

1. Conceito de Reforma
Muito se tem ouvido falar sobre reforma e especialmente Reforma Protestante. porém qual o verdadeira entendimento que se deve dar a esta terminologia? Vamos explicitá-la usando mais duas terminologias para que são: forma e deforma, para que o estudante da Bíblia ou de história do cristianismo possa compreender melhor a alcunha da expressão ‘‘Reforma’’.

Reforma: podemos dividir esta palavra em duas partes: ‘‘Ré’’ - olhar para atrás e ‘‘Forma’’ - como algo que tem corpo ou estruturação. Sendo assim a palavra reforma, significa voltar novamente à forma. Só necessita de reforma algo que perdeu a forma original ou seja, algo que ficou deformado. Por isso que diante de um estado de deformação, houve uma extrema necessidade de se fazer uma reforma com o escopo de buscar a forma, que se havia perdida ao longo de pelo menos dez séculos.

Agora vamos para o embasamento histórico sobre a necessidade de uma Reforma Protestante. A igreja de Cristo nos seus primórdios, teve como fundamentação os ensinamentos do seu fundador, o Mestre Jesus Cristo e as por sua vez as doutrinas dos apóstolos que estão na sua maior parte no Novo Testamento.

 A data de nascimento da Igreja de Cristo teve início no dia da Festa de Pentecostes, cinquenta dias após a festa da Páscoa.

                          Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. At. 2.1,2

Este é o texto que fundamenta o nascimento da Igreja de Cristo com batismos e conversão de almas. A igreja que nasce a partir deste texto Bíblico de Atos, passa a ganhar sua forma como Igreja e corpo doutrinário no verso 42 confira:

                          E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos. Atos 2.42-47

E perseveravam na doutrina dos apóstolos... A igreja na sua inauguração, já começa com uma forma estrutural de corpo doutrinário a ser ensinado e praticado por todos os fiéis daquela época, ou seja a Igreja toma forma baseado na doutrina dos apóstolos, que são os ensinamentos de Jesus Cristo quando estiveram com Ele aqui na Terra cerca de três anos e meio. Dessa forma a igreja tem o seu alicerce, sua base para dar seguimento e difusão do genuíno do evangelho de Cristo na Terra.      
 
Mas é o apóstolo Paulo, que através de suas cartas doutrinárias se torna o maior teólogo da cristandade. Seus ensinamentos reverberaram por toda a história do cristianismo, servindo de base para milhares de livros e ensinamentos que foram e ainda são extraídos da forma original doutrinária em que ele escreveu para o seu tempo e posteridade. É com o apóstolo Paulo que se encerra todo o corpo doutrinário da primitiva igreja de Cristo. 

            Questões sobre a fé, salvação, único mediador, céu e inferno, perdão, justificação, regeneração, santificação, glorificação, eleição e predestinação dos Salvos, a Graça de Deus, Expiação pelo Sangue de Cristo, doutrina do pecado,  doutrina geral da salvação etc. essas e outras doutrinas foram definidas pelos apóstolos principalmente por Paulo em suas duas profundas cartas doutrinárias Romanos e Efésios.

            Esta forma doutrinária que ajudou a igreja a ter uma identidade e que por sua vez fez dela um igreja crescente e triunfante apesar das grandes perseguições do Império Romano, vem se mantendo fiel a sua forma doutrinária até o final do Século III.

            A deformação dos ensinamentos doutrinários dos apóstolos começa por volta do Século IV, com a igreja perdendo a sua forma. Por volta do ano 313, o Imperador Constantino torna o cristianismo a religião oficial do Império Romano, após vencer uma batalha através de uma visão de que Cristo dá a ele a vitória. Constantino junta Estado e Igreja. Agora Constantino não só é o chefe de estado, mas também chefe da igreja. É nesse período que a igreja começa a se deformar, a perder a forma. Começa a introduzir na igreja o paganismo grego-romano, elementos de cultos que jamais tinham sido permitidos pelos os apóstolos e pais da igreja.

        O século a seguir oficialmente surge o papado. As Igrejas eram livres, mas começaram a perder autonomia com Inocêncio I, no ano 402 que, dizendo-se “Governante das Igrejas de Deus exigia que todas as controvérsias fossem levadas a ele.” Mas as questões teológicas deveriam ser resolvidas entre teólogos e não decidida por uma pessoa. A forma antes estabelecida pelos apóstolos cede a deformação de homens inescrupulosos. Leão I, ano 440, aumentou sua autoridade; alguns historiadores viram nele o primeiro papa. Naqueles tempos ninguém supunha que “ o Apóstolo Pedro foi papa”, fora casado e não teve ambições temporais.

            O poder dos pretensos papas cresceu ainda mais quando o Imperador Romano Valentiniano III, ano 445, bajulado, reconheceu oficialmente a pretensão do papa de exercer autoridade sobre as Igrejas. O papado surgiu das ruínas do Império Romano desintegrado no ano 476, herdando dele o autoritarismo e o latim como língua, embora o primeiro papa, oficialmente falando, foi Gregório no ano 600 d.C.

            A forma se manteve até o Século IV, antes de Constantino. Porém, de Constantino até o Século XVI, ou seja, por mais de 1000 anos a igreja esteve em colapso com a deformação, com as coisas absurdas que  passaram a surgir neste período. A Bíblia já não era mais a única regra de fé, as encíclicas e bulas papais tinha o mesmo ou mais valor do que a Escritura Sagrada. A salvação passa ser o negócio mais rentável da igreja, a expiação pelo pecado só era concedida pelo papa mediante a pagamentos. Criam-se a indulgência; o purgatório; os fiéis eram lesados em sua ignorância, já que o conhecimento era restrito a apenas monges e igrejas; missa em latim; oração pelos mortos; introdução da maldita santa inquisição; mariolatria; a infalibilidade papal.
            Todas essas heresias doutrinárias originadas na igreja românica teve sua deposição com a graça, inteligência e força dos reformadores. Era a hora de voltar às origens da igreja primitiva de Cristo. O século XVI foi sem dúvida o mais importante período da História do Cristianismo após Cristo e os apóstolos. Foi nesse século que culminou as denúncias e a divisão definitiva da igreja.

            A reforma traz a forma que havia se perdido ao longo de XII Séculos. O acesso à verdade era imperativo, a leitura Bíblica passa ser exigida dos fiéis para não serem enganados por doutrinas heréticas, livre examinação das escrituras. A verdade agora está ao alcance de todos. cumprindo-se o que diz as Escrituras. ‘‘e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. (Jo. 8.32).
           
            A Reforma se encontrou com a forma e destronou a deformação. 

2. Preliminares da reforma
            O crescente desprestígio da Igreja Românica do Ocidente, precisamente nos Séculos XIV e XV, no próprio enriquecimento material do que na orientação espiritual dos fiéis; a progressiva secularização da vida social, imposta pelo humanismo renascentista; a ignorância, o relaxamento moral do baixo clero, a venda de cargos do alto clero, foram os fatores que desencadearam a Reforma e a Contra-Reforma.

            Não há como negar a influência da reforma em nosso Século. Qualquer livro de história que aborde o tema: Idade Média e início da Idade Moderna tem, obrigatoriamente, a necessidade de discorrer sobre um dos principais marcos dessa época que veio a ser conhecido como “A Reforma Protestante”, liderada por diversos reformadores e culminando decisivamente com o monge agostiniano Martinho Lutero.

            Antes de adentrarmos ao tema proposto, vamos acentuar as razões que levaram as causas reformistas.

        Os historiógrafos mostram que ao fim da Idade Média os fundamentos do Velho Mundo estavam ruindo. Houve várias transformações nessa época, mesmo antes, cuja importância não podem ser alienadas do pano de fundo histórico da reforma. As mudanças foram cada vez mais acentuadas com as descobertas de novos mundos por Colombo e Cabral .

            A ideia de um estado universal foi cedendo lugar ao conceito de nação-estado. Com a formação das cidades, a economia comercial tomou lugar da feudal. Isso teve consequências sociais, pois o estilo de vida das pessoas começou a ascender formando uma classe média forte - a burguesia. Também no campo da cultura e da arte com o surgimento do Renascimento as transformações intelectuais fizeram com que o protestantismo encontrasse apoio para seu desenvolvimento. Urge rememorar que todas essas mudanças afetavam direta ou indiretamente a Igreja Românica. Mas nenhuma delas talvez se fez sentir mais do que as que ocorreram no campo religioso.

3. Interpretação da reforma
            É claro que as causas irão variar de acordo com pressuposto histórico que o historiador aplicar na interpretação da Reforma. Assim, temos várias correntes e escolas pelas quais os historiadores farão sua análise crítica da Reforma: de maneira puramente racionalista secular, tais como aquelas que só vêem as causas da Reforma nos fatores político-sociais; outros no fator da economia; e outros ainda vêem a Reforma puramente como produto do intelectualismo. Entretanto, uma cosmovisão puramente racionalista tende a distorcer a definição e dar razões incompletas e deficientes à verdadeira origem da reforma. Ora, se analisarmos o assunto somente sob a ótica religiosa, ignorando a corroboração de todos esses fatores seculares e o impacto que tiveram sobre o movimento reformista é tão errado quanto analisar a reforma sem levar em conta a sua principal causa, qual seja, a religiosa. Vejamos o que nos informa a respeito, o historiador Earle E. Cairns:

Historiadores Protestantes. Interpretam a Reforma como um movimento religioso que procurou redescobrir a pureza do cristianismo primitivo como descrito no Novo Testamento. Esta interpretação tende a ignorar os fatores econômicos, políticos e intelectuais que ajudaram a promover a Reforma.

Historiadores Católicos Romanos. Interpretam a Reforma como uma heresia inspirada por Martinho Lutero por causa de razões pessoais, entre elas a vontade que tinha de se casar. O protestantismo é visto como um cisma herético que destruiu a unidade teológica e eclesiástica da Igreja Medieval, se bem que o catolicismo nunca conseguiu a proeza de se manter uno! Os historiadores católicos se esquecem da problemática verdadeira envolvendo a Igreja Romana, pois, no período da Idade Média, muitíssimas barbaridades e anomalias foram geradas dentro da Igreja, o que causou muitos protestos que não foram atendidos. Resultado final: a Reforma.

Historiadores Seculares. Empenham mais atenção aos fatores secundários em sua ótica da Reforma. O filósofo e historiador francês Voltaire ilustra muito bem a interpretação racionalista. Para ele, a Reforma protestante foi apenas o resultado de uma briga de monges da Saxônia e a Reforma religiosa, na Inglaterra, consequência de um caso de amor de Henrique VIII.

            É claro que tais conjeturas fazem parte da História. Mas daí presumir de tão nobre movimento (pelo qual pessoas sacrificaram suas próprias vidas) que somente esses motivos foram suficientes é falta de vontade de analisar exegeticamente os fatos.

Historiadores Marxistas. Determinam que a Reforma aconteceu por causa de questões econômicas. A Reforma é vista como resultado da tentativa do papado romano de explorar economicamente a Alemanha para lucro próprio. Seria o resultado da oposição de nações-estados a uma Igreja internacional. Para eles, a Reforma foi um simples episódio político de origem nacionalista. (CAIRNS, 1999).

Embora haja elementos de verdade em todas as interpretações, será preciso notar que suas ênfases, geralmente, recaem sobre causas secundárias e, quase sempre, sobre uma causa secundária particular.

            A Reforma não se explica de maneira tão simplória, pois suas causas são múltiplas e complexas.

4. Um Clamor por Reforma
            Na verdade, a Reforma Protestante nada mais é do que o cumprimento de um clamor por mudança religiosa, ainda que de maneira esporádica através dos anos anteriores à própria origem da Reforma. Vejamos então:

            Nas últimas décadas da Idade Média, a igreja ocidental viveu um período de decadência que favoreceu o desenvolvimento do grande cisma do Ocidente, registrado entre 1378 e 1417, e que teve entre suas principais causas a transferência da sede papal para a cidade francesa de Avignon e a eleição simultânea de dois e até de três pontífices. O surgimento do "conciliarismo" - doutrina decorrente do cisma, que subordinava a autoridade do papa à comunidade dos fiéis representada pelo concílio - bem como o nepotismo e a imoralidade de alguns pontífices demonstraram a necessidade de uma reforma radical no seio da igreja. Por outro lado, já haviam surgido no interior da igreja movimentos reformistas que pregavam uma vida cristã mais consentânea com o Evangelho. No Século XII,  movimentos reformistas surgiram em aberta oposição à hierarquia eclesiástica, os valdenses, conhecidos como ‘‘os pobres de Lyon’’ ou ‘‘os pobres de Cristo’’, questionaram a autoridade eclesiástica, o purgatório e as indulgências.

            Os cátaros ou albigenses defenderam nos Séculos XII e XIII um ascetismo exacerbado, considerando a si mesmos os únicos puros e perfeitos. Os Petrobrussianos rejeitavam a missa e defendiam o casamento dos padres. No século XIV, na Inglaterra, John Wycliffe defendeu ideias que seriam reconhecidas pelo movimento protestante, como a posse do mundo por Deus, a secularização dos bens eclesiásticos, o fortalecimento do poder temporal do rei como vigário de Cristo e a negação da presença corpórea de Cristo na eucaristia. As ideias de Wycliffe exerceram influência sobre o reformador tcheco John Huss e seus seguidores no território da Boêmia, os hussitas e os taboritas, nos Séculos XIV e XV. Entre essas vozes protestantes estava também a do monge dominicano Jerônimo Savanarola o qual, a mando do papa, foi preso, torturado e enforcado. Nos capítulos a seguir falaremos mais detalhadamente desses movimentos e personagens da Reforma Protestante.
            Em posição intermediária entre a fidelidade e a crítica à igreja romana situou-se Erasmo de Roterdam. Seu profundo humanismo, conciliatório e radicalmente oposto à violência, embora não isento de ambiguidade, levou-o a dar passos importantes em direção à Reforma, como a tradução latina do Novo Testamento, afastando-se da versão oficial da Vulgata; ou a sátira contra o papa Júlio II, de 1513.
           

Textos extraídos do livro: 500 Anos da Reforma ProtestanteCausas Consequências e Contribuições. Editora: Palavra de Vida. Autor Esdras Cabral de Melo.